sexta-feira, 22 de novembro de 2013

EXPOSIÇÃO - NÓS NEGRAS - cabelo e identidade




A exposição apresenta através de fotos e depoimentos como as mulheres negras criam relações com os seus cabelos crespos a partir da afirmação da identidade negra. Estas relações levam em consideração o âmbito social vivenciado por nós mulheres negras, pois este espaço constrói estereótipos que nos inferiorizam. 


A utilização e a aceitação do cabelo crespo é uma ação que enaltece as características fenotípicas de negritude, histórica e socialmente, discriminada e desvalorizada. Sendo assim, esta ação de valorização de uma etnia corresponde a um ato político e de elevação da autoestima.

Black is beautiful! 

Projeto de Conclusão do Curso de Comunicação Social da Graduanda Valéria Mattus 
Orientação Profa Florence Dravet 

Saiba mais
textos e vídeos sobre a temática:
- Pixaim Elétrico, Cristiane Sobral 
- Cabelo Oprimido é um teto para o cérebro, Alice Walker 
- Alisando o nosso cabelo, Bell Hooks
- O que o cabelo fez para ser chamado de ruim?, Frente 3 de Fevereiro
- Cores e Botas, Juliane Vicente 

Arte por Kayan Lucas! ;D





sábado, 26 de outubro de 2013

Se você participa de algum coletivo e quer ser o representante dele no FOJUNE, não participa de nenhum coletivo mais gostaria de integrar em algum grupo negro que discuta sobre militância racial, seja bem vindo a conhecer e participar do Fórum de Juventude Negra DF.



ACOLHIDA FOJUNE CLICA AI E ESCOLHA 


sexta-feira, 16 de agosto de 2013

II TRANÇANDO IDEIAS

Abrindo os trabalhos do segundo semestre de 2013 o Fórum de Juventude Negra, convida a todas as guerreiras quilombolas para uma tarde, cheia de sensibilidade e expressão, promovendo possibilidades de discussão acerca da estética  da mulher negra.
Em parceria com a Rede de Educação Cidadã+Giseli Matamba direto de Salvador e  Nayara Costa.
Local: Edificio Miguel Badya - 1º andar sala 113
SÁBADO/ 17 DE AGOSTO AS 14HS
contatos pelo tel: email: forumdajuventudenegradf@gmail.com/81327631.

segunda-feira, 17 de junho de 2013

Encontro reunirá redes de todo o Brasil na capital Federal

plataformas_news

_cooperação

Encontro reunirá redes de todo o Brasil na capital Federal

Produtores culturais, jornalistas, artistas, autoridades, gestores públicos e culturais, pesquisadores e estudantes participarão de evento realizado pela Casa das Redes
BSBNews-01
Ocorre entre os dias 18 e 20 deste mês o Encontro de Redes em Brasília, com uma programação cultural e de debates que conectará movimentos, ativistas e agentes culturais do DF e de todo o Brasil no intuito de conectar e dinamizar as relações de cooperação entre grupos e movimentos de todo o Brasil. Serão realizados oficinas, observatórios, encontros, mini-conferências, Pós TV, reuniões livres, apresentações e intervenções artísticas ao longo dos 3 dias. Todas as atividades serão gratuitas e são esperadas cerca de 1 mil pessoas.
Durante o Encontro, circulará também a moeda social da Casa das Redes. Considerada instrumento de desenvolvimento social, ela é destinada a beneficiar o mercado das trocas, em que produtos, serviços e saberes facilitam a viabilidade das ações, contas e causas comuns. A Moeda é baseada na economia solidária, criativa, do conhecimento, gerando uma economia da vida que transcende a visão exclusiva do capital tangível e priorizando o desenvolvimento crescente do ser humano e das atividades que geram o bem estar social. É uma importante tecnologia de colaboração social complementar à economia tradicional, e estará simbolizada durante o evento.
8178706451_a64ab848c5_c

7952392608_42c9ea0797_c

6503737385_bc856686f1_b (1)
As temáticas abordarão - de forma dinâmica e integrada - diversos temas que tangem os modos de organização da sociedade civil: cultura digital, política de drogas, ativismo no século XXI, feminismo, tecnologias sociais, juventude, cultura popular, meio ambiente, redes em rede, pontos de cultura, guerra de memes, midialivrismo, rede global de música são alguns dos temas que permearão as trocas entre os presentes, que representam coletivos, movimentos sociais, organizações de juventude, universidades, poder público, povos de terreiro, pontos de cultura e interessados em participar.
O encontro inicia um percurso por diferentes campi da Universidade das Culturas, e que culminará no Emergência, Encontro Global que reunirá no fim do ano em São Paulo (SP) representantes de redes de cultura, ativismo, meio ambiente, pontos de cultura e experiências colaborativas de todo o globo.
***

Casa das Redes

969667_585946941428253_2026606648_n
Presente em Brasília desde o início do ano conectando movimentos, coletivos e agentes culturais locais, a Casa atua como uma embaixada ao oferecer suporte logístico, formativo e multimídia às redes de todo o país e tem uma parceria com a Fundação Banco do Brasil, no intercâmbio de ações referentes aos programas de juventude, cultura digital, formação e inclusão produtiva.
A Casa das Redes faz uso de tecnologias fortalecidas e aperfeiçoadas ao longo de anos de trabalho cooperativo de diferentes experiências socioculturais, e reaplicando-as em diferentes contextos.
Espaço colaborativo que desenvolve ações e tecnologias sociais visando a potencialização e o fortalecimento das redes socioprodutivas de todo Brasil e de outros países da América Latina, a Casa é um ambiente de confluências para todos os interessados em processos de colaboração cultural, de trocas de saberes, compartilhamento de experiências e construção de metodologias, por onde circulam constantemente artistas, gestores, produtores, jornalistas, comunicadores, pesquisadores, entre outros atores sociais.
***

Novas formas de organizações coletivas

O conceito de rede, cunhado entre o século 18 e 19 pelo pensador francês Claude Henri de Saint-Simon, alcançou suas experiências práticas mais visíveis após as intensas experiências tecnológicas que ocorreram em paralelo à consolidação de uma implacável malha de comunicação.
Nos últimos anos, especialmente após uma prática governamental que ampliou a participação popular através de conferências e outros instrumentos de incidência e consulta popular, o Brasil tem protagonizado cada vez mais os processos de construção, articulação e metodologia de redes colaborativas, com representações em todos os tipos de território e contexto: das favelas e morros cariocas passando pelas palafitas do norte até os grandes centros metropolitanos e financeiros, conectando agentes e desenvolvendo soluções para os problemas colocados de ordem social, urbana, rural, organizacional, de segurança, incidência, de produção, sustentabilidade, entre muitos outros.
Hoje no Brasil estimam-se que são centenas de milhares de pessoas envolvidas em organizações socio-culturais que lidam dos temas do campo às cidades, debatendo e articulando ações e projetos ambientais, culturais, econômicos, sociais, políticos, entre outros campos de atuação.
PERCURSO-01
O percurso cultural é a reunião de todas as atividades culturais do Encontro de Redes.
Percurso
Shows • DJs • Vjs • Sarau • Compacto.ARTE • Feira Cultural • Duelo de MC's • Intervenções Artísticas • Exposições
bg-preto-02
Durante o Encontro das Redes, a programação oferece uma série de oficinas voltadas a práticas de intervenções, sustentabilidade e midialivrismo aos presentes. Serão ministradas ao longo dos 3 dias de programação oficinas de Cobertura Colaborativa, Pós TV, Permacultura, Serigrafia e Malabares. A formação livre é prática constante em diversas redes, realizando trabalho de base a partir de experiências práticas e vivências.
Inscreva-se: http://bit.ly/OficinaRedes
oficina2
bg-preto-03
Exposições conceituais com debate sobre temas diversos, em busca do aprofundamento e do levantamento de possibilidades de ação e continuidade.
seminários
Emergência • Banco das Redes • Parlamento das Culturas • Conexões Globais • Nas Ruas e Nas Redes • Circula Cultura • Cultura Digital • Cultura Urbana • Momento Copa • Espiritualidade • Politica de Drogas • Tecnologias Sociais • Juventude • Feminismo • Marcos Regulatórios • Direito Autoral • Banda Larga Pública • Marco Civil da Internet • Gurizada • Lei Grio • Lei Cultura Viva
bg-preto-05
BSBBSB
Reuniões de trabalho, que colocam em contato diferentes atores e experiências, com encaminhamentos práticos de ações conjuntas de colaboração.
bg-preto-06
miniconferência2
Reuniões com autoridades, lideranças e gestores do poder público e de redes de todo o Brasil, que estarão presentes no Encontro de Redes.
bg-preto-07
Plataforma midialivrista de transmissão ao vivo, impulsionada por diversos grupos e coletivos de todo o Brasil. O projeto surgiu como veículo alternativo às narrativas do meios de comunicação tradicionais e hoje é um forte instrumento de democratização da informação.
postv
Partido 2.0 • Colaboração Continental • Movimentos Sociais e Culturais • Sustentabilidade • Economia Coletiva / Comum / Solidária / do Conhecimento • Novo Mundo Possível • Políticas Energéticas • Guerra de Memes • Índios em Movimento • Política de Gênero • Formação livre e em fluxo • Percursos Culturais • Educação Popular • Inteligência Colaborativa / Coletiva • Políticas Raciais • Ensino Informal / Formal / Não Formal • Midia Livre • Cidadão Multimidia • Banda Larga Publica • Ficarálho • NINJA • Conexões Latinas • Políticas de Rede • Comunicação Popular • Cartografias Colaborativas • Nas Ruas e nas Redes • Revolução Permanente • Terrorismo Poético • Circula Cultura • Residências Artísticas • Roça / Rural • Interações Estéticas • Sinapses Criativas • SomosTodosGay • Nova Musica Brasil • Rede Global de Musica • Brasil Profundo • Novíssimo Cinema Brasileiro • Engenharia de Informação • Cooperação Internacional • Colaboração Cultural • Redes em Rede • Cultura de Rede • Banco das Redes • Desmatamento zero • Água • Resíduos Sólidos • Belo Monte • Recliclagem • Permacultura • LGBT • Cidade Que Queremos • Mundo que Queremos • Norte Conectado • +Amor
bg-preto-04
tags
Redes em Rede • Ninja • Hip Hop • Meio Ambiente • Cultura Popular • Rede Brasil de Festivais Independentes • Universidade das Culturas • Redes em Redes • Narrativas CO / Midia Livre • Cartografias Colaborativas • Cultura DF • Pontos de Cultura • Circuito CO de Festivais Independentes
***

SERVIÇO

O QUE
Encontro de Redes
QUANDO
18, 19 e 20 de Junho
18/06 - Terça
10h às 12h:
-Credenciamento
-Oficina de Cobertura Colaborativa
14h às 16h:
-Oficina de Cobertura Colaborativa
-Expresso 168: Comissão de Cultura no Congresso
-Feira Livre
16h30min às 18h30min
-Roda Livre de Break
-Oficina de Serigrafia
-Pós TV: Esquenta
-Projeto Pau Pereira
-Reuniões Livres
-Projeto Pau Pereira
-Reuniões Livres
-Compacto.Arte
-Aeromoças e Tenistas Russas
-No Ritmo da Vida Loka
18h30min às 20h
Abertura Oficial
20h às 22h
-Space Night Love Dance Laser

-GOG
19/06 - Quarta
10h às 12h
-Observatório Cultura Digital e Software Livre
-Manifestação: Casamento Igualitário | Local: SDH Senado Federal - Plenário II
-Observatório Brasil Profundo
-Encontro Artes Visuais e Cultura Urbana
-Pós TV: Observatório Economias Possíveis
-Oficina de PosTV
-Encontro Hip Hop
14h às 16h
-Encontro Rede Brasil de Festivais
-Observatório Partido 2.0: Protagonismo, participaçao e gestão compartilhada
-Encontro Cartografias Colaborativas
-Compacto.ARTE - Especial com participação de Cranio
-Encontro Universidade das Culturas
-Oficina de PosTV
16h30min as 18h30min
-Observatório Circula Cultura: circuitos, residências e percursos
-Observatório Brasil: Embaixada do Novo Mundo Possível
-Observatório Marcos Regulatórios: Revendo as Regras do Brasil
-Orq. Popular Menino da Ceilandia
20h às 22h
-Observatório Direitos Humanos: Generos, etnias e raças
-Observatório Maio Ambiente X Ambiente Inteiro
-Encontro Ninja: Narrativas de um Novo Mundo
-Criolina Champagne
20/06 - Quinta
10h às 12h
-Encontro de Circuito CO de Festivais
-Encontro Redes em Rede
-Oficina de Redes Sociais
-Observatório Filhos de um novo mundo
-Observatório Política ou Polícia? Por uma outra Politica de Drogas
-Oficina de PosTV
14h às 16h
-Encontro Cartografias Colaborativas
-Observatório Nas Ruas e Nas Redes
-Encontro Cultura Popular
-Encontro de Circuito CO de Narrativas
-Oficina de PosTV
-Observatório Audiovisual
-Observatório Marcos Regulatórios: Revendo as Regras do Brasil
-Encontro Redes DF
-Observatório Meio Ambiente
-Observatório Juventude
20h às 22h
-Sarau das Redes
-Martinha do Coco e Grupo Tamnoá
ONDE
Casa das Redes: Quadra 703, Bloco O, Casa 38, Asa Norte - Brasília (DF)
Por Que
Conectar e dinamizar as relações de cooperação entre grupos e movimentos de todo o Brasil.
___
Inscreva-se e participe: http://bit.ly/InscricoesRedes
Para mais informações, acesse: http://casadasredes.org.br/
Entre em contato: (61) 3264 6131
casadasredesbsb@gmail.com

sexta-feira, 7 de junho de 2013

segunda-feira, 27 de maio de 2013

Lei Griô e a valorização da cultura ora



Lei Griô, em tramitação no congresso nacional, tem como objetivo a valorização dos mestres e mestras portadores dos saberes e fazeres da cultura oral e o fomento da transmissão desta tradição. Seu principal mecanismo é a oferta de bolsas de incentivo para os griôs, mestres da tradição oral, para que eles promovam o encontro de tais saberes com a educação formal através de encontros regulares de compartilhamento e troca de experiências de educação e cultura.

Rede Mocambos: VI Encontro Nacional da Rede Mocambos acontece de ...

Rede Mocambos: VI Encontro Nacional da Rede Mocambos acontece de ...: Entre os dias 27 de maio e 03 de junho de 2013, a Casa de Cultura Tainã (Campinas SP) sediará o IV Encontro Nacional da...

DIA DA AFRICA

A Organização da Unidade Africana escolheu o dia da sua constituição, 25 de Maio de 1963 como o Dia da África, para o mundo celebrar e lembrar os africanos, medindo o progresso que este continente fazia e faz na comunidade internacional.
Em 2012, comemoramos 49  Anos desde a criação, em Addis Abeba (Etiópia), da Organização de Unidade Africana (OUA), em carta assinada por 32 estados africanos já independentes na altura.
A África é um  continente com aproximadamente 30,27 milhões de quilômetros quadrados de terra.  Ao norte é banhado pelo Mar Mediterrâneo, ao leste pelas águas do oceano Índico e a oeste pelo oceano Atlântico. O Sul do continente africano é banhado pelo encontro das águas destes dois oceanos. É o segundo continente mais populoso do Mundo (depois da Ásia), com  aproximadamente 800 milhões de habitantes.

sexta-feira, 24 de maio de 2013

A importância das mulheres

Toda mulher deve ser amada
No dia a dia conquistada
No ser mãe endeusada
Na cama desejada
Na boca beijada
Na alegria multiplicada
No lar compartilhada
No seu dia festejada
Na tristeza consolada
Na queda levantada
Na luta encorajada
No trabalho motivada
No aniversário presenteada
Na alma massageada
Na beleza admirada
Na dificuldade ajudada
No cangote bem cheirada
Na vida abençoada
No mundo inteiro respeitada
E sempre que possível abraçada

A formação adequada do professor faz escola não ser discriminatória


Nos debates sobre raças e racismo pouco se fala sobre “branquitude”. E foi a partir desta constatação que a pedagoga e professora de educação infantil, Luciana Alves, demonstrou que ações afirmativas, como a lei sobre ensino da cultura africana, só fazem sentido se forem realizadas em ambiente de reflexão e reconstrução sobre o “ser branco”.

O tema “miscigenação” é muito falado no Brasil, mas o que se esconde por trás desse discurso é uma cultura que atualiza o racismo. A escola se apresenta como instituição discriminatória, onde o assunto branquitude” é pouquíssimo discutido nos debates sobre raça. Essa situação colabora para que o branco se sinta superior e em posição de neutralidade a respeito do tema, fazendo perpetuar a “positividade da brancura” e os estereótipos negativados do “ser negro”.

Para realizar seu estudo Significados de ser branco – a brancura no corpo e para além dele, Luciana entrevistou 10 professores de ensino básico, sendo 4 autodeclarados brancos e 6 negros, a fim de saber o que pensavam sobre “o que é ser branco no Brasil”. O estudo foi apresentado na Faculdade de Educação (FE) da USP. A pesquisadora conta que os professores foram selecionados para o trabalho quando participavam de um curso sobre a Lei 10639/2003, que obriga o ensino de cultura e história africana e afro-brasileira nas escolas.

Metade branca

No Brasil, cerca de 50% da população se autodeclara branca, denunciando que no País onde existe um discurso sobre a mistura de raças ainda há motivos que levam as pessoas a se declararem brancas, mesmo sendo provenientes de família mestiça. De acordo com Luciana, esses motivos estão relacionados aos “significados de ser branco, para além da cor da pele”. Esses significados são um
conjunto de características atribuídas culturalmente às pessoas que se reconhecem e são reconhecidas em suas comunidades como brancos.

“Ser branco é não ser negro”, disse um dos entrevistados. Tal resposta evidencia que o significado de ser negro geralmente já é construído como o contrário de ser branco. Por causa dessa mentalidade, é muito comum perceber no dia-a-dia situações em que “ser negro” é relacionado a características negativas. Em contra partida, o que é associado à brancura são valores positivos, socialmente estimados. A inteligência, a castidade, a beleza, a riqueza, a erudição e a limpeza,por exemplo, seriam características de um “negro de alma branca”, expressão utilizada por um dos professores entrevistados.

Nas entrevistas, o que ficou claro nas falas dos negros, além da tal positividade da brancura, foi a sensação de medo, insegurança, opressão e desconfiança. Isso confirma a imagem do branco como potencialmente opressor para os negros, construída e atualizada ao decorrer da história.

As respostas dos professores brancos sobre “ser negro” geralmente recorriam aos estereótipos muito bem fixados no imaginário popular. Quando falavam de suas infâncias, lembrando momentos em que presenciaram situações de discriminação, evidenciavam que desde aquela época esses estereótipos, criticados por eles atualmente, já estavam sendo construídos.

Essa construção coloca a “brancura” como padrão, como norma, e é essa padronização a principal responsável pela atualização do racismo no Brasil, segundo a pesquisa. “As memórias dos professores revelam a neutralidade de sua pertença racial, indicando que ser branco é não ter que refletir sobre esse dado”, constata a pesquisadora.

Nas escolas

O racismo ainda existe e permeia o cotidiano do brasileiro e, nas escolas, não é diferente. Segundo Luciana, a melhor forma de não atualizar a discriminação nas salas de aula é colocar o tema “branquitude” em pauta. “É preciso entender que os brancos também formam um grupo racial que defende seus interesses, e acabam se beneficiando, direta ou indiretamente com o racismo”, diz a
pesquisadora. Ela acredita que deve haver no ambiente escolar oportunidades de se discutir e questionar a adesão à ideia de superioridade da brancura.

— É aí que entra a formação adequada dos professores, como aposta para que a idealização branca deixe de ser objeto de desejo para negros e brancos, pois ela pressupõe hierarquia — descreve a pesquisadora. Nas salas de aula, a brancura ainda é construída como referência de humanidade, onde “o branco é sempre o melhor exemplo”.

Por Glenda Almeida


AGÊNCIA USP

http://negrosnegrascristaos.ning.com/forum/topics/a-import-ncia-das-mulheres 

sexta-feira, 17 de maio de 2013

PODE CHEGAR - TARDES NEGRAS

Galera, não se esqueça de reservar neste DOMINGO, um tempo da sua agenda para 3° edição do TARDES NEGRAS.
Essa edição tá cheia de novidades, o FOJUNEDF prepara uma tarde acolhedora, animada e reflexiva, com o tema ABOLIÇÃO PRA QUEM?, trará um painel onde as pessoas poderão responder essa pergunta, além de algumas falas significativas sobre o tema.
Lembraremos de nossos ancestrais e traremos alguns depoimentos, traga fotos de seus ancestrais para expormos no painel e venha de ROUPA BRANCA ou CLARA.
Além disso, será comemorado o aniversário de 1 ano do FOJUNEDF e claro que o nosso bolo será uma deliciosa FEIJOADA, ficou com água na boca né? Hummm... eu também, então corre e compre o convite da FEIJOADA, está a venda por 10 reias, mas também poderá ser adquirido no local.
A entrada... continua sendo GRATUITA, estamos cobrando somente a FEIJOADA, beleza.
Um bom SAMBA DE RODA muita gente bonita, e claro um BRAIDS STYLE, isso mesmo direto de sampa para Brasília, teremos o Sr. Dreads fazendo o melhor da trança e dreads em sua cabeça.
E pra fechar o pacote nesta edição teremos novamente uma FEIRA DE TROCA, então vai separando um SORRISO GOSTOSO, o cabelo para trançar, os pés pra sambar, e algum objeto que não queira mais, no entanto está em bom uso pra trocar e nos encontre no DOMINGO, na CASA DA CAPOEIRA.







Qualquer dúvida entre em contato!
AFRO ABRAÇOS E ATÉ 19 DE MAIO - 13HS

Concurso de Penteado Afro da Colômbia


9º Concurso de Estilo de Cabelo Afro aconteceu no domingo (12) em Cali.
O  Concurso de Penteado Afro da Colômbia é o mais colorido  do mundo! Muita cor, muita trança e algumas obras de arte podem ser vistas neste concurso, onde o vencedor maior é a comunidade negra da Colômbia, que não perdeu suas raízes e influências africanas.

Este Concurso de Penteado Afro é uma das formas dos descendentes dos africanos que foram escravizados, hoje cerca de 20% da população colombiana, de cultivarem suas origens e tradições.

O Concurso acontece na cidade de Cali, na Colômbia, já na sua nona edição, aconteceu neste final de semana. Uma competição diferente, que desafia a habilidade das cabeleireiras e estimula a preservação da história do país. Tranças, tecidos coloridos e muita criatividade.  Veja mais fotos abaixo da  nona edição de um campeonato de penteados afro-colombianos:

Veja mais fotos como esta em Afrokut

FONTE:  http://negrosnegrascristaos.ning.com/profiles/blogs/concurso-de-penteado-afro-da-colombia?xg_source=msg_mes_network

Rede Nacional da Juventude Negra: Vergonha Baiana. Concurso Miss Bahia.

Rede Nacional da Juventude Negra: Vergonha Baiana. Concurso Miss Bahia.: TOD@S, TOD@S, TOD@S sabem, ou fingem não saber... Que o status de BELEZA raramente é atribuído às mulheres com o fenótipo de melanina acen...

terça-feira, 14 de maio de 2013

Kumi Rauf: o criador da maior fan page negra do Facebookcriador da fan page I Love being black

O americano Kumi Rauf, de 28 anos, pode ser chamado de um dos Midas das redes sociais. Ele é o criador da página “I Love Being Black” (“eu amo ser negro”, em tradução livre), a fan page com temática negra que tem o maior número de seguidores no Facebook. São, ao todo, mais de seis milhões.
A página surgiu como suporte da sua empresa de roupas e acessórios, mas acabou virando uma febre em todo o mundo. Criada em 2005, o espaço é hoje um negócio que vende milhares de pulseiras, camisetas, calendários e demais acessórios com mensagens de valorização da identidade negra e uma grande vitrine para modelos entrarem no mercado internacional de moda.
Escolhido pela prestigiosa organização americana Urban Leaguecomo um dos mais influentes líderes afro-americanos com menos de 40 anos, Kumi desistiu de sua carreira no mercado de tecnologia na Califórnia para se dedicar a construir um movimento virtual que  já o levou a visitar diversos países do mundo fotografando pessoas negras.
Além disso, Kumi também palestra sobre o uso correto e direcionado das redes sociais e sobre a tecnologia à favor da identidade racial. Recentemente, o jovem empresário esteve no Brasil para uma palestra em Salvador, na Biblioteca Pública do Estado.
Ele contou que logo após ter se formado, enfrentou dificuldades no primeiro trabalho na área. “O racismo foi o primeiro golpe. O golpe n.º 2 foi o salário baixo e o 3º foi colocar limites na minha liberdade”, relatou Rauf que trabalha atualmente com os pais, dois irmãos e uma amiga. Ele pretende contratar ainda mais duas pessoas.
face“Algumas pessoas interpretam ‘eu amo ser negro’ como se fosse ‘eu detesto os outros’, mas não é verdade. Essa não é a nossa intenção. Nosso objetivo não é só o lucro. As pessoas que a gente faz propaganda são escolhidas a dedo. Recentemente tive que devolver um cheque de mil dólares porque era de uma empresa que não queríamos ter relações financeiras”, destacou.
A página “I Love Being Black” está atualmente no top 500 de cerca de 42 milhões de páginas do Facebook em termos de base de fãs. Está ainda no “top 20″ de todas as páginas de roupas no Facebook, a frente de marcas tarimbadas como of Dolce & Gabbana, Ralph Lauren, Old Navy e Armani.
Fonte: revista afro

segunda-feira, 13 de maio de 2013

A trajetória do primeiro índio formado em medicina pela UnB

Ao chegar a Brasília há sete anos, Josinaldo da Silva tinha apenas R$ 900 de mesada da Funai e um currículo escolar tão pobre quanto o bolso

FLÁVIA TAVARES
DE COCAR NO DIA DA FORMATURA

Josinaldo da Silva esperava com ansiedade sua vez de receber o pedaço de papel que coroaria sete anos de sua vida. Mal enxergava a família, que, após deixar Petrolina, em Pernambuco, e voar 1.550 quilômetros, acomodara-se discretamente no fundo do auditório do Quartel-General do Exército, em Brasília. Seus olhos divisavam apenas quem, nas primeiras fileiras, lhe entregaria o canudo em instantes. Quando o mestre de cerimônias pronunciou seu nome, Josinaldo viu o pajé Álvaro Tukano soerguer-se, orgulhoso. Carregava nas mãos um enorme cocar de penas de gavião, similar ao que ostentava na própria cabeça. Aproximou-se de Josinaldo, tirou-lhe o capelo, substituiu-o pelo cocar, pôs as mãos no ombro do pupilo e – súbito – encostou sua testa na dele. Josinaldo ficou sem reação: não esperava esse gesto. Nem o que aconteceria depois. A plateia e os outros 39 formandos ficaram de pé para aplaudir o primeiro índio formado em medicina pela Universidade de Brasília (UnB).

A noite de 1º de fevereiro deste ano encerrou a improvável jornada que começara em 18 de abril de 2006, quando Josinaldo, da etnia aticum, chegara a Brasília. Chegara graças a seus esforços e a uma parceria entre a UnB e a Funai, pela qual ele obtivera sua vaga na UnB. Josinaldo vivia, com os cerca de 5 mil índios aticuns, na Serra do Umã, sertão de Pernambuco. Ao chegar a Brasília, tinha apenas R$ 900 de mesada da Funai e um currículo escolar tão pobre quanto o bolso. Mal conseguira um teto, já tinha de vestir o jaleco branco. Começara as aulas com a disciplina mais temida pelos novatos: anatomia. “Levaram a gente para uma sala com cadáveres, foi a primeira vez que vi, um choque. Entrar num ambiente cheio de corpos é para saber se você quer mesmo estar ali”, diz.
DIPLOMADO Josinaldo da Silva no Posto de Saúde de Santa Maria. “Quando soube que passei no vestibular, demorei a acreditar” (Foto: Celso Junior/ÉPOCA)
Josinaldo se sentia estrangeiro em Brasília. Pela primeira vez, sentiu o que é ser diferente dos outros. Não conseguia fazer amizades. A solidão lhe doía. Nos primeiros meses de aula, tinha apenas um amigo: Jânio, da etnia baré, do Amazonas, também estudante de medicina. Os dois dividiam um quartinho e as angústias. A família de Jânio, porém, estava com muitos problemas – a mãe doente, o pai alcoólatra. A pressão foi grande para que ele voltasse à aldeia. Jânio voltou. Um mês depois, matou-se. “Foi como perder um irmão. A gente conviveu pouco tempo, mas intensamente”, diz Josinaldo.
>> “Decretem nossa extinção e nos enterrem aqui” 
>> Sobrenome: “Guarani Kaiowa” 

No primeiro semestre, Josinaldo foi reprovado em duas matérias. E depois em mais uma. Quando pensou em desistir das aulas de imunologia, difíceis demais, foi motivado a continuar pelos companheiros. “Fiz poucos amigos na universidade, mas os que fiz foram de verdade”, diz. Foram eles que bancaram os dois primeiros estetoscópios de Josinaldo – os equipamentos custavam R$ 150 cada um, uma pequena fortuna para ele. E o ajudavam quando o dinheiro da Funai atrasava. “A hombridade dele sempre me impressionou. Ele é reservado, mas fala de suas raízes com orgulho e nunca deixa de cumprir um compromisso”, diz Felipe Machado, um dos amigos da faculdade.
>> O sertanista que passou 42 anos protegendo os índios 

Josinaldo é um dos cinco indígenas formados até aqui na UnB pela parceria firmada em 2004 com a Funai. Hoje, há 63 alunos indígenas na universidade. São estudantes de 31 etnias diferentes, distribuídos em cursos como administração, sociologia e agronomia. O convênio não é exatamente uma cota, como no caso dos alunos negros. Desde 2006, a UnB cria dez vagas por semestre exclusivamente para os índios. Os alunos que entram pela cota de negros ocupam 20% das vagas já existentes nos cursos. No quinto semestre, a solidão dos tempos de calouro deu lugar ao reconhecimento orgulhoso da identidade. Josinaldo e os demais índios da UnB dançavam pelos corredores da universidade, em manifestações “contra o preconceito”.

CAPÍTULO 2
DE COCAR NO RITUAL DA ALDEIA

A dança que Josinaldo fazia no campus, sem camisa, de calça jeans e cocar, andando em círculos e batendo o pé no chão, chama-se toré. É a mesma que praticava quando era criança. Josinaldo adorava participar do ritual que acontecia a cada 15 dias. Era o escape de sua rotina de roça. Terceiro de seis irmãos, ele mal conheceu o pai, que os abandonou e, anos mais tarde, foi assassinado numa briga. Com 6 anos, já ajudava a mãe a capinar as plantações de mandioca, milho, abóbora e feijão. Nos dois meses do ano em que chovia, o trabalho era diário. A família largava a casinha de pau a pique da aldeia sem saneamento para subir a serra. Lá, Josinaldo se instalava com a mãe e os irmãos numa palhoça, dormindo no chão. Também colhia algodão nas fazendas da região. Estudar não era prioridade. Mas Josinaldo queria tanto aprender que dava um jeito de recuperar as aulas perdidas na única escola da aldeia, que só chegava à 4ª série. Quando terminou, em 1989, queria continuar estudando. Refez o ano três vezes. “Virei pós-doutor em 4ª série”, diz Josinaldo, rindo.
>> IBGE registra crescimento de 205% na população indígena do país 

Em 1995, surgiu a oportunidade: construiu-se uma escola de 5ª a 8ª série no quilombo Conceição das Crioulas, vizinho ao povoado de Mulungu. A história das seis negras libertas que fundaram o quilombo, no comecinho do século XIX, se mescla com a dos aticuns – e a herança está no rosto mestiço de Josinaldo. Ele percorria todo dia, de jumento ou bicicleta, rodeado de outras crianças, os 6 quilômetros até o quilombo. Para fazer o ensino médio, o caminho era mais longo, de ônibus: 48 quilômetros até a cidade de Salgueiro. Depois de estudar e ainda ajudar a mãe na roça, Josinaldo se reunia com os familiares. A aldeia não tinha luz. Eles acendiam uma fogueira e ouviam os mais velhos contar histórias.

Já crescido, Josinaldo começou a trabalhar como agente de saúde, cuidando de sua aldeia. “A gente sabia que era ruim, mas, indo de casa em casa, é que vi”, diz. O chão batido dos casebres sem esgoto, sem comida, inundados durante os meses de chuva... Josinaldo conta que visitou uma mãe que amamentava um bebê e notou que as costelinhas do menino estavam à mostra, marcadas na pele fina. “Aquilo foi o que mais me doeu. Foi quando comecei a sonhar em ser médico. Era a utopia da utopia.”
>> Raoni: "Pode ser que nos matem, mas vou com meus guerreiros impedir Belo Monte"

Em 2005, Josinaldo soube do convênio entre a Funai e a UnB. Fez o vestibular no ano seguinte.“O pessoal da Funai ligou para dizer que eu havia passado. Achei que era trote. Demorei a acreditar.” Com cinco mudas de roupa, meia dúzia de livros e o aval de seu povo, que recomendou seu nome para a Funai, Josinaldo partiu para Brasília. Foram sete anos até o jaleco branco com o bordado no bolso: “Dr. Josinaldo Silva”.
>> Outras histórias da seção Caso Extraordinário

CAPÍTULO 3
DE JALECO BRANCO NO POSTO DE SAÚDE

Numa tarde escaldante de março, a salinha do Posto de Saúde do distrito de Santa Maria, em Flores de Goiás, a 210 quilômetros de Brasília, está cheia. Dona Orica, de 59 anos, está ansiosa por ser atendida, depois de meses em que o posto ficou sem médico, pelo doutor novo que chegou na semana anterior. Josinaldo sai da sala com uma prancheta nas mãos e chama dona Orica. Depois outro, e outro... Atende sem parar, das 7 às 16 horas. No fim do expediente, dorme num quartinho minúsculo no fundo do próprio posto. Josinaldo está lá por causa do Provab, programa do governo federal que oferece R$ 8 mil de salário a médicos recém-formados que topem trabalhar nesses rincões sem estrutura. Ele ficará em Santa Maria por um ano. Depois, seguirá para Planaltina, na periferia de Brasília, para fazer a residência de dois anos em medicina de família, área que escolheu.
>> Uma tragédia indígena 

Josinaldo se sente na obrigação de voltar daqui a três anos para sua aldeia, para retribuir a confiança que seu povo lhe deu. O convênio da Funai com a UnB não prevê oficialmente a contrapartida da volta – ela é firmada entre o índio e as lideranças de suas aldeias. A aldeia Mulungu de hoje é bem diferente da aldeia Mulungu da infância de Josinaldo. A luz chegou em 2001, todo mundo tem televisão e celular, e as famílias agora constroem fossas sépticas com a ajuda do governo. Josinaldo também mudou. Comprou um carro e arrumou uma namorada, estudante de psicologia. Sua família não vive mais lá. Partiram para ganhar a vida em outras cidades de Pernambuco e em São Paulo. “Saí de lá com um propósito. Teve um povo que disse para eu vir. Quero voltar, me sinto nessa dívida”, diz Josinaldo. “Espero que daqui a três anos eu continue pensando isso.”
fonte: época

quinta-feira, 9 de maio de 2013

13 de Maio: Dia Nacional de Denúncia contra o Racism


dh_13maio
O dia 13 de maio é considerado o Dia Nacional de Denúncia Contra o Racismo, data em que foi assinada a Lei Áurea, que aboliu a escravidão no Brasil, em 1888.

A Lei Áurea foi assinada pela Princesa Isabel em 13 de maio de 1888. A lei marcou a extinção da escravidão no Brasil, o que levou à libertação de 750 mil escravos, a maioria deles trazidos da África pelos portugueses.
A assinatura da lei foi conseqüência de um longo processo de disputas. Logo antes da elaboração do deputado conservador João Alfredo, muitas manifestações pedindo a libertação dos escravos já ocupavam as ruas, principalmente em São Paulo e Rio de Janeiro.
Na verdade, os escravos já estavam mobilizados em torno desta causa havia muitos anos. Um dos primeiros ícones da luta pela libertação dos escravos, considerado o mais importante até hoje, foi o movimento do Quilombo dos Palmares, liderado por Zumbi dos Palmares.
Escravos fugidos ou raptados de senzalas eram levados para o território, que chegou a ter 200 quilômetros de largura, em um terreno que hoje corresponde ao estado de Alagoas, parte de Sergipe e de Pernambuco. O movimento, iniciado por volta de 1590, só foi derrotado cerca de 100 anos depois, em 1694. Um ano depois, Zumbi, traído por um homem de sua confiança, foi assassinado. A data de sua morte, 20 de novembro, é muito comemorada pelo movimento negro e foi oficializada como o Dia Nacional de Denúncia contra o racismo.
Mas o começo da liberdade ainda demoraria para acontecer. Os primeiros passos, antes da Lei Áurea, foram a Lei do Ventre Livre (1871) e a Lei dos Sexagenários (1884). A primeira estabelecia que os filhos de escravos ficavam sob os cuidados do senhor de suas mães até 8 anos. Depois, o senhor poderia libertá-los e receber indenização ou usar seus trabalhos até os 21 anos, depois eles estariam livres. A segunda dizia que os escravos estariam livres quando completassem 60 anos. Mas antes da liberdade total, deveriam trabalhar 5 anos de graça como indenização aos senhores pelos gastos com a compra deles.
Só então é que veio a Lei Áurea. Mas mesmo depois da lei, os ex-escravos batalharam bastante para sobreviver, porque não tinham emprego, nem terras, nem nada. Muitos deles arranjaram empregos que pagavam pouco porque era tudo que os brancos lhes ofereciam. Os movimentos de consciência negra surgem como forma de protestar contra esta desigualdade social e contra o preconceito racial. Hoje, 13 de maio é o Dia Nacional de Denúncia contra o Racismo.

E você com isso?
É compromisso de todo mundo lutar por um mundo mais justo, e está incluída aí a justiça racial. Afinal, além de sofrer com as desigualdades sociais, a população negra sofre também com o maior câncer da sociedade brasileira: o racismo.
O país acompanhou recentemente as declarações de um Parlamentar do Rio de Janeiro, que em um programa de TV afirmou que seus filhos não correm o risco de namorar uma mulher negra ou virarem gays, porque “foram muito bem educados”, relacionando a relação entre brancos e negros com “promiscuidade. Na mesma semana outro deputado, desta vez um de São Paulo, usou o twitter para dizer que “os africanos são amaldiçoados”.
Infelizmente as palavras destes parlamentares racistas soam apenas como versão em prosa e verso de uma dura realidade que, 123 anos após a abolição, persiste: a morte física, cultural e simbólica de negras e negros.
Todos os seres humanos merecem respeito carinho ou atenção, independentemente da cor da sua pele. Isto significa que você deve tratar bem todos os seus colegas e seus conhecidos, não importa se ele é branco, negro ou oriental.

Qual a diferença entre preto, pardo e negro?

A classificação "pretos" feita pelo IBGE levantou polêmica sobre a forma correta de chamar esse grupo de pessoas

A divulgação, por parte da Fundação Universitária para o Vestibular (Fuvest), de notícia sobre a ausência de pessoas pretas nos cursos mais concorridos da Universid... alimentou uma polêmica sobre a forma mais correta de se classificar a população pela cor ou raça. Com a bandeira do "politicamente correto" levantada, alguns defenderam que seria melhor utilizar os termos negros ou afrodescendentes. Mas é errado chamar alguém de preto?
O debate começou porque a Fuvest, responsável pela seleção dos alunos da USP, adotou o padrão de classificação do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que divide a população do País em cinco grupos: pretos, pardos, brancos, amarelos e indígenas.
A alegação é histórica: o primeiro censo demográfico do Brasil foi feito em 1872 e perguntava aos brasileiros em qual dos quatro grupos eles se enquadravam: preto, pardo, caboclo ou branco. Ao longo de mais de 140 anos, foram feitas algumas mudanças na nomenclatura, mas ainda não há consenso sobre a forma de classificar a população.
Esse é um tema muito polêmico. Alguns defendem que deveríamos usar a classificação negro, mas o negro é uma identidade social. Leva em conta uma visão política, a identidade de um povo muito mais do que a cor da pele. José Luiz Petruccelli Pesquisador do IBGE
José Luiz Petruccelli, que faz pesquisas sobre diversidade racial há mais de 20 anos no IBGE, reconhece que a classificação pode ser aprimorada, embora defenda que o modelo segue uma série histórica e mudanças poderiam prejudicar a comparação dos dados. "Esse é um tema muito polêmico. Alguns defendem que deveríamos usar a classificação negro, mas o negro é uma identidade social. Leva em conta uma visão política, a identidade de um povo muito mais do que a cor da pele", defende.
O especialista diz não ser correto, para efeito de pesquisas, reunir pardos e pretos em um só grupo, de negros. Segundo ele, a discriminação contra os pretos é muito maior do que a verificada entre as pessoas que se autodeclaram pardas, e essa diferença precisa estar presente nos levantamentos demográficos. "Existe diferença no comportamento social entre pretos e pardos: quanto mais escuro, mais discriminado", afirma. 
Já a União de Negros pela Igualdade (Unegro), organização de movimentos sociais criada na Bahia e presente em 24 Estados, defende que o mais adequado é usar o termo negro, embora aceite as regras do IBGE. "Como não existe um critério científico para essa classificação, acordou-se em usar a nomenclatura do IBGE para pesquisas, que seria o mais próximo do viável", disse Alexandre Braga, diretor de comunicação da entidade.
Apesar de concordar que quanto mais escura a cor da pele, maior a discriminação, a Unegro acredita que o IBGE possa vir a usar apenas a classificação negro no futuro. "As pessoas se identificam mais como negras do que pretas ou pardas", afirma Alexandre.
Preto e pardo
Nas pesquisas do Censo feitas pelo IBGE, é apresentada uma relação com as cinco nomenclaturas utilizadas e as pessoas precisam indicar a qual cor pertencem. Segundo Petruccelli, cada pessoa tem liberdade para dizer a sua classificação. Ele explica que pretos normalmente são as pessoas que se enxergam com a cor mais escura. Mas em relação aos pardos não há consenso. "Normalmente são as pessoas que se classificam como ‘morenas’ ou ‘mulatas’, mas isso depende na região", afirma.
O pesquisador diz ainda que nas regiões Sul e Sudeste, a população que se declara parda normalmente é de origem africana. Porém, no Norte, muitos pardos são, na verdade, descendentes de indígenas. Ele ainda conta uma história curiosa sobre a situação no Distrito Federal. "A população local, por mais branca que seja a sua pele, se classifica como parda porque vê os brancos como os funcionários públicos que vieram de fora".
De acordo com o pesquisador do IBGE, a presença de pretos é menor no Brasil, por isso existe a tendência em reunir pardos e pretos em um grupo de negros. Ele diz que apenas para as pesquisas o termo não se aplica, mas que na convivência social é válido agrupar as duas nomenclaturas. Para o representante da Unegro, ocorre também a resistência em assumir a cor preta e muitos preferem ser incluídos na lista dos pardos - que seria uma forma intermediária. "A identidade do negro é muito maior, por isso defendemos a utilização desse termo", afirma.
E o afrodescendente?
De acordo com o diretor da Unegro, o termo afrodescendente - ou afrobrasileiro - está em desuso. "Acredito que hoje seja muito mais adequado chamar alguém de negro do que de afrodescendente. Essa é muito mais uma nomenclatura política, de ação dos movimentos sociais na luta contra discriminação do que para designar a cor", explica.
Do Terra / Imagem: Blog do Félix